terça-feira, 15 de setembro de 2020

Poema de uma Lenda Oriental

 
















Poema de uma Lenda Oriental


A mãe era uma santa, mas o filho
Com amigos seguia errado trilho.

Sofria tanto a pobre criatura
Porque o filho vivia vida impura!

E dizia-lhe: "Filho, sê bonzinho..."
Mas ele: "Já me enfara o teu carinho!"

E saía. E voltava já noite alta.
Chorava a mãe na ausência do peralta.

Um dia, uma paixão cruel tirou
Do moço o raciocínio, e o desvairou.

Certa mulher lascivamente o olhara...
Com um simples olhar o escravizara!

Confessa-lhe o infeliz o seu amor,
E escuta, mudo, sem nenhum tremor:

"Eu não creio no amor da Humanidade;
A bondade dos homens é a maldade..


"Mas, se rasgar à sua mãe o peito
E me trouxer seu coração perfeito,


"Então, sim, poderei ser toda sua..."
A noite fria tinha um céu sem lua.

Contempla a velha mãe no leito puro.
Repousa a santa... O desvairado impuro

Rasga-lhe o seio! E em sua horrenda mão
Traz, inda a palpitar, o coração!

Ei-lo a correr, desabaladamente!
Mas, oh! tropeça, e cai pesadamente.

E o coração materno, já esmagado,
Diz apenas ao filho desgraçado,

Como flor que murchou e tombou da haste:
"Ai... filho amado... tu... te machucaste?"

 Alziro Zarur 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

O amor

O amor traz harmonia a quem vibra com calor natural vindo de Deus. Que constitui a própria essência natural da criação e que quando comparti...